Toplivros - Detalhes do produto: O Homem que Se Achava Napoleão, Laure Murat por apenas R$ 39,00
Capa do livro O Homem que Se Achava Napoleão, Laure Murat

O Homem que Se Achava Napoleão

Laure Murat

Editora: Três Estrelas

Páginas: 408

Ano: 2012

ISBN: 9788565339094

R$ 43,90R$ 39,0011,2% de desconto

Condicionado a quantidade em estoque

Frete calculado no carrinho de compras

Em 21 de janeiro de 1793, o rei Luís XVI é guilhotinado. Entre março daquele ano e agosto de 1794, cerca de 17 mil pessoas serão executadas na França. Por vários anos no país, a guilhotina se torna um delírio comum entre os alienados. Eram frequentes casos como o de um homem internado no hospital de Charenton, em 1802, que afirmava ter sido decapitado e estar portando outra cabeça, já que a sua havia sido levada para a Inglaterra. Em 1840, quando os restos de Napoleão são transportados à França, catorze pessoas que acreditam ser o imperador dão entrada no hospital de Bicêtre. Uma onda de delírios de grandeza, de ´monomania orgulhosa´ - como denominou a medicina da época -, espalha Napoleões pelos asilos do país. De 1789 a 1871, a França passa por uma série de convulsões políticas que marcam o fim da monarquia de direito divino e a fundação da República. A historiadora Laure Murat se debruçou sobre os arquivos e documentos inéditos desse período guardados em quatro hospitais franceses - Bicêtre, Salpêtrière, Sainte-Anne e Charenton - para examinar as relações entre política e loucura e apresentar, em 
O homem que se achava Napoleão, uma fascinante pesquisa que expõe as consequências dos eventos revolucionários na vida psíquica dos cidadãos. Nesse livro, escreve o psicanalista Jurandir Freire Costa, ´o espectro do clássico de Michel Foucault - História da loucura - surge desde as primeiras linhas, mas retrabalhado com originalidade e com propósitos renovados´. O homem que se achava Napoleão é também uma investigação sobre os primórdios da psiquiatria, por meio de seus expoentes, como Philippe Pinel e Jean-Étienne Esquirol, e sobre os vínculos estabelecidos entre medicina e ideologia para estigmatizar os insurretos da Comuna de Paris (1871) e outros adversários do Estado. ´A história da loucura pode não levar em conta a loucura da história?´, pergunta Murat.